quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Dom Fernando Souza Fontes o 51º Grão-Mestre da Ordem Templária e a história de seus antepassados

Fr.++João Duarte Patrício
Depois de ser abordado por algumas pessoas que demonstraram um manifesto interesse sobre os antepassados, santos, de S.A.E. Senhor Dom Fernando Campello Pinto Pereira de Souza Fontes, Grão-Mestre da Ordem Templária OSMTH-Porto, uma vez que fez referência aos seus ancestrais, nosso Irmão Fr.++João Duarte Patrício deixa aqui alguns elementos colhidos pelo Reverendo Padre Dr. Manuel L. Botelho, Comendador Delegado da Comendadoria D. João IV de Vila Viçosa, Prior de Portugal (Zona Sul). Publicação feita no Cadernos Templários - Janeiro 2008.


Grão-Mestre Dom Fernando
É sabidamente sabido, pois encontra-se devidamente documentado por “estudos genealógicos”, que S.A.E. Dom Fernando Campello Pinto Pereira de Sousa Fontes Grão-Mestre da Ordem Templária OSMTH-Porto tem, nos seus ascendentes, figuras ilustres da nobreza, não só portuguesa como de outras distintas casas reais, e que muitas delas pelas altas qualidades morais, caritativas etc. foram declaradas pela Igreja de santas.
É o caso de Santa Margarida e de Santa Matilde. **
"Oriundo de extraordinária família de SANTOS merece que seja feita uma pequena anotação sobre os seus elementos ancestrais que foram elevados às honras dos altares.
Fr.+++Albino Neves e o Grão-Mestre
Dom Fernando Souza Fontes

São muitos. Eis apenas os mais salientes:
1. SÃO PEPINO DE LANDEN, “o Velho”, filho de Carlomano, O oficial do Palácio, em França. Do casamento deste santo com santa ITTA, nasceu Santa Bigga ou Begga.

São Pepino “o Velho” faleceu no ano de 652.
2. SANTA ITTA - Foi esposa de São Pepino, “o Velho”, de cujo matrimónio nasceu Santa Bigga ou Begga. Santa Itta faleceu em 652.
3. SANTA BIGGA ou BEGGA - Era filha de São Pepino “o Velho” e de Santa Itta; mãe de Pepino de Heristal, “o Gordo” que faleceu no ano de 714; avó de CARLOS MARTEL, prefeito do palácio em França, que nasceu em 689 e faleceu em 741, tendo combatido, com bom êxito, contra as invasões dos Muçulmanos; foi bisavô de Pepino “o Breve” e trisavô de CARLOS MAGNO, que viria a ser coroado imperador dos franceses no ano de 800.

Santa BIGGA ou BEGGA, na parte final da sua vida, em 693 ingressou num Mosteiro de religiosas, onde chegou a ser ABADESSA.
Entregou a sua alma a Deus no ano de 698.
4. SANTO ARNOLFO - Foi oficial do Palácio, em França e veio a ser avô de Pepino de Heristal: bisavô de Carlos Martel que fez frente às invasões muçulmanas; trisavô de Pepino, em francês Pépin, “o Breve” e tetravô de CARLOS MAGNO, fundador do sistema feudal no Ocidente.
5. SANTO EDUARDO, o “o Mártir”. - Sendo Príncipe de Inglaterra no tempo da monarquia anglo-saxónica, foi tio de SANTO EDUARDO III, rei de Inglaterra, de que falaremos mais á frente.
6. SANTO EDUARDO III, o “confessor ou piedoso”, último rei anglo-saxónico, cuja biografia se apresenta mais à frente.

7. SANTA MARGARIDA da Escócia. - Foi mãe de Santa Matilde (Edite) da Inglaterra, como se pode ver mais adiante.
8. SANTA ISABEL da Hungria, tia-avó da rainha SANTA ISABEL de PORTUGAL, como se pode ler a seguir.
9. SANTA MATILDE (Edite), filha de Santa Margarida da Escócia. Ver biografia que segue.
10. SÃO DAVID, rei da Escócia. - Era filho de Malcom III da Escócia e de Santa Margarida e irmão de Santa Matilde (Edite), rei da Inglaterra. Sucedeu no trono da Escócia a seus irmãos Edgar e Alexandre que começaram a governar em 1097, após o falecimento de Malcom III.
São David, rei da Escócia, era também irmão dos príncipes Eduardo, Etelredo e Maria.
São David, depois de uma vida santa, totalmente dedicada aos seus súbditos, faleceu no ano de 1156.
11. SANTA ALDORA - Filha de Adozinda e de D. Hero Fernandes que depois de casar com D. Guterrez Árias, foram pais de D. Afonso de Celanova e avós de D. Froiles Afonso de Celanova.
12. SANTO EUGÉNIO - Irmão de D. Eufrázia que casou com D. Mendo Gomes, “o Moçarabe”, Senhor da Terra de Barroso, foi companheiro do Conde D. Henrique, pai de D. Afonso Henriques. Deste matrimónio nasceu D. Guedes Mendes, “o Velho” que também pertenceu ao grupo de guerreiros e amigos do Conde D. Henrique, em Portugal.
D. Eufrázia e D. Mendo Gomes foram avós de D. Fuas Guedes, Senhor da Terra de Aguiar.
Portanto, SANTO EUGÉNIO, sendo irmão de D. Eufrázia, foi tio de D. Guedes Mendes e tio-avô de D. Fuas Guedes, ascendentes do actual Grão-Mestre Universal e Príncipe Regente da Ordem dos Templários, Dom Fernando Pereira Pinto de Fontes.
Feita a abordagem geral de alguns dos SANTOS que foram antepassados do actual

Grão-Mestre Universal e Príncipe Regente da Ordem Suprema e Militar do Templo de Jerusalém, é tempo de dedicarmos algumas palavras aos que mais se distinguiram na vida social, política e caritativa:
1. SANTO EDUARDO III, rei da Inglaterra.
2. SANTA MARGARIDA, da Escócia.
3. SANTA ISABEL, da Hungria.
4. SANTA MATILDE, da Inglaterra (Edite da Escócia).
1º. SANTO EDUARDO III, da Inglaterra

1.1. INTRODUÇÃO
Antes de entrar nas biografias personificadas, urgente se torna falar do clima político-social da Inglaterra na passagem do 1º para o 2º milénio da era cristã:

1.1.1. ETELREDO I governa até 978, data em que se agudizam as peripécias ruinosas para a Ilha Britânica.

As ambições norueguesas sobre a Inglaterra criaram nesta ilha um ambiente aterrador, devido aos ataques constantes dos corsários vindos do continente, bem como das invasões norueguesas, cujos reis se julgavam com direito ao trono inglês.

1.1.2. ETELREDO II governou entre 978 e 1016. Foi denominado o “indeciso” porque nunca tomou uma directriz definida contra determinado inimigo. As adversidades eram tantas e tão variadas, que ele não tinha capacidade política nem financeira para defender os reais interesses da Inglaterra, atacados por sectores bem divergentes.

Do seu 1º casamento tinha nascido EDMUNDO Costela-de-Ferro que ao lado do pai era a alma da resistência contra as arremetidas norueguesas.

Em segundas núpcias casa com EMMA, filha de Ricardo I, duque da Normandia, de cujo matrimónio nascem mais dois príncipes: ALFREDO e EDUARDO.

Em 1013, quando EDUARDO tinha 8 ou 9 anos, EMMA tem de se refugiar na Normandia, na corte de seu irmão RICARDO II. Com ela vão os príncipes e, logo a seguir, também o próprio rei, Etelredo II que aí organiza a resistência contra os invasores da Inglaterra, mas sem êxito, já que tanto Etelredo II como seu filho mais velho, Edmundo, Costela-de-Ferro, morrem na guerra em Novembro de 1016.
Após este grave incidente Knud (Canuto), o Grande, rei da Dinamarca ocupa o trono da Inglaterra até à sua morte: entre 1017 e 1035. Durante estas quase duas dezenas de anos todos os lugares religiosos e políticos são ocupados por noruegueses.

Alguns anos depois de 1017, Knud o Grande casa com EMMA, de quem tem um filho: Knud Hardel Knud.

Entretanto, Eduardo e Alfredo passam a sua juventude na corte de Ricardo II, duque da Normandia.

1.1.3. Harold, Pé-de-Lebre - Logo que Knud o Grande morreu, em 12 de Novembro de 1035, EMMA procura colocar no trono um dos seus filhos, mas em vão, já que outro filho de Knud, Harold Hare Foot, denominado Harold Pé-de-Lebre, tomou conta do poder, aprisionando o seu irmão Ricardo, que morre depois de lhe terem arrancado os olhos, nesse mesmo ano de 1035.
Enquanto o príncipe herdeiro da Inglaterra está refugiado na Normandia, sua mãe e seu meio-irmão HARDEKNUD exilam-se em Bruges.

1.2. SANTO EDUARDO III, “O Confessor”

1.2.1. A TRANSIÇÃO

Harold Pé-de-Lebre morre em 1040. Ocupa o trono de Inglaterra o filho Knud-o-grande (meio-irmão de EDUARDO III), HARDEKNUD, que morre em 8 de Junho de 1042.

1.2.2. ÚNICO HERDEIRO DO TRONO

Desaparecidos tragicamente todos os irmãos e meios-irmãos, EDUARDO é recebido jubilosamente por toda a população e ocupa o trono da monarquia anglo-saxónica durante duas dúzias de anos, entre 1042 e 1066.

1.2.3. SAGRAÇÃO REAL
No domingo de Páscoa de 1043, EDUARDO III é sagrado rei, com grande pompa, na catedral de Winchester pelo seu grande arcebispo de Cantorbéry.
1º PARTE DO SEU REINADO (1042-1054)

1.2.4. ADVERSIDADES INTERNAS

Internamente, tinha o reino muito dividido, em constante guerra civil. Havia 3 ducados rivais, todos eles ambicionando o trono inglês:

GODWINE duque de Wessex;

LEOFRIC, de MERCI;

SIWARD, de NORTHUMBRIE.

Estes dois últimos uniram-se contra o primeiro, que foi obrigado a refugiar-se em Bruges, com a sua família, no ano de 1045. No exílio, Godwine organiza um grosso exército e, alguns meses depois, volta, obrigando os seus rivais a render-se.

1.2.5. O CASAMENTO

Entretanto EDUARDO III, já com 40 anos, resolve casar. Escolhe para consorte EDITE, filha de GODWINE, duque de Wessex, no ano de 1045. Nunca chegaram a ter filhos, pelo que a herança do trono devia recair num dos seus sobrinhos, os filhos de Edmundo Costela-de-Ferro. Mais adiante veremos o que sucedeu.

1.2.6. ADVERSIDADES EXTERNAS

Externamente continuavam as ambições norueguesas sobre o trono de Inglaterra. Era HARALD, filho de Knud, que intentava ocupá-lo. Mas morreu em 1043. O outro era SWEIN, que pretendia o mesmo. Mas também a morte o vitimou em 1047. Finalmente o sucessor, HARALD III, o severo, acabou por fazer as pazes com a Inglaterra, em 1051. Providencialmente estava o caminho livre para que EDUARDO III pudesse governar pacificamente.

1.2.7. ALÍVIO DAS TAXAS, BEM COMO DOS LUGARES OCUPADOS PELOS ESTRANGEIROS

A partir de 1051, Eduardo III consegue abolir todas as taxas que o povo inglês tinha de pagar para o estrangeiro.

Logo a seguir todos os bispos e outros dignitários estrangeiros foram aconselhados a regressar aos seus países de origem.

Assim, a partir de 1053, EDUARDO III pode dedicar-se de alma e coração aos seus súbditos, sobretudo aos menos bafejados pela sorte.

2ª PARTE DO SEU REINADO (1054-1066)

1.2.8. A CAMINHO DA SANTIDADE

Uma dúzia de anos foi o suficiente para que todos compreendessem a grandiosidade do seu coração beneficiando, sobretudo, os mais desprotegidos. Foi nesta etapa da sua vida que ele melhor se apresentou como candidato às honras dos altares, pelo amor à paz, à justiça e ao bem social de todos os seus súbditos. Providencialmente, tinha sido jurado rei na dinastia Anglo-saxónica, ainda no ventre materno, segundo os seus biógrafos.
Esta proclamação de REI antes de nascer foi feita devido ao perigo político que a Inglaterra vivia nessa época, conforme ficou expresso anteriormente. É certo que Eduardo III tinha dois irmãos idosos, portanto com direito ao trono: um meio-irmão, filho do 1º casamento do pai, denominado EDMUNDO (Costela-de-Ferro); e um irmão, com o nome de RICARDO. Mas todos previam o fim trágico destes dois, atendendo ao catastrófico clima político que então se vivia na Inglaterra. De facto, os acontecimentos vieram confirmar as angustiosas previsões sobre a monarquia Anglo-saxónica, pelo que os 3 Estados juraram obediência a Eduardo III, ainda antes de nascer.

1.2.9. FIM DA MONARQUIA ANGLO-SAXÓNICA

Eduardo III, prevendo que não tinha descendentes, em 1057 chama o príncipe EDUARDO, filho do seu meio-irmão EDMUNDO 
(Costela-de-Ferro) para lhe suceder no Trono. Este ainda veio viver para Inglaterra, mas morreu antes de Eduardo III. Nestas circunstâncias, o trono caiu nas mãos de HAROLD, filho de Godwine, duque de Wessex, no dia 5 de Janeiro de 1066, data do falecimento de Eduardo III.

EXALTAÇÃO DE SANTO EDUARDO III DE INGLATERRA

Eduardo III teve a previsão da sua passagem para a eternidade. São João Evangelista apareceu-lhe e comunicou-lhe, em Junho de 1065, que dentro de 6 meses entregaria a alma a Deus. Ele preparou-se muito bem espiritualmente e, passado o tempo referido, tomou posse do verdadeiro trono da glória eterna, em ISLIP, no referido dia 5 de Janeiro de 1066.
Santo Eduardo era sobrinho de outro mártir, do mesmo nome, tio-avô de Santa Margarida da Escócia; e tio-bisavô de São David da Escócia e de Santa Matilde da Inglaterra. Trinta e seis anos depois, foi exumado.
Coisa admirável. Seu corpo estava incorrupto, com os membros flexíveis, como se estivesse a dormir. Sua roupa estava toda nova, como se estivesse acabado de ser feita. Tendo nascido em Inglaterra em 1002, morre em ISLIP no ano de 1066 e é canonizado por Alexandre III, a 7 de Fevereiro de 1161.

2º SANTA MARGARIDA (Rainha da Escócia)
Pertencente a nobres famílias inglesas e escocesas, SANTA MARGARIDA era filha do príncipe Eduardo, que faleceu alguns anos antes de 1066 e de Ágata irmã da rainha da Hungria.
As circunstâncias providenciais do nascimento de MARGARIDA ocorreram quando toda a sua família estava no exílio devido aos fatídicos acontecimentos seguintes.
Em 1016 o avô paterno de MARGARIDA, Edmundo Costela-de-Ferro fora assassinado por motivo do rei da Dinamarca Knud ter invadido a Inglaterra, para aí subir ao trono. Os filhos de Edmundo tiveram de se exilar na Suécia e, logo a seguir, na Hungria, onde um deles, o príncipe Eduardo recebeu em casamento ÁGATA (irmã da rainha) de cujo enlace nasce MARGARIDA.
Quando esta tinha cerca de 9 anos de idade, em 1054 veio, com seus pais viver para Inglaterra, pois seu tio-avô, Santo Eduardo III tinha-os chamado para ter quem lhe sucedesse no trono. De facto o príncipe Eduardo, pai de Santa Margarida, em 1054 voltou para a Inglaterra mas não chegou a ser coroado rei porque morreu antes do tio. Como Santo Eduardo III faleceu em 1066 e o ambiente político piorou, MARGARIDA, com sua mãe, a princesa Ágata, tiveram de ausentar-se de novo de Inglaterra.
O sucessor de Eduardo III, Harold, filho do duque Godwine, entrou em conflito com Guilherme da Normandia, pelo que MARGARIDA, com 21 anos de idade, na companhia de sua mãe e irmãos, tiveram de refugiar-se na Escócia onde MALCOM III (rei entre 1047 e 1093) a recebeu cheio de galhardia, vindo a casar com ela no ano de 1070, na povoação de Dunferline.
Deste enlace matrimonial de Malcom III com Margarida nasceram os seguintes 8 filhos: 6 príncipes: EDUARDO, ETELREDO, EDMUNDO, EDGAR, ALEXANDRE, DAVID e 2 princesas: MARIA e EDITE (Santa Matilde, rainha da Inglaterra).
Entre todos eles, DAVID foi considerado santo pelo povo, e EDITE veio a ser rainha da Inglaterra, onde mais tarde lhe deram o nome de SANTA MATILDE, em atenção a uma outra Santa Matilde, sua antepassada cujas notas biográficas se apresentam a seguir.
Entretanto, em 13 de Novembro de 1093, numa batalha contra Guilherme, o Ruivo, faleceu seu marido Malcom III, que não era cristão mas respeitava e amava carinhosamente a religião de sua esposa, pedindo-lhe conselhos e acariciando, estimando e até beijando os seus livros sagrados.
Durante o reinado do marido, MARGARIDA foi conduzindo a Escócia à prática dos mais básicos princípios cristãos:
- descanso dominical;
- respeito pela Quaresma, pela Páscoa, pelo Pentecostes, etc.;
- embelezamento do palácio real, ao gosto cristão;
- recitação diária do ofício divino, sobretudo Matinas, Landes e Vésperas;
- assistência caridosa aos pobres, aos órfãos, às viúvas e a todos os desprotegidos;
- criação de instituições de assistência social;
- construção de instituições de assistência social;
- construção de hospedarias para os viajantes;
- introdução de costumes cristãos em toda a Escócia.
Depois de muito sofrimento motivado pelo ambiente de guerras da sua época, MARGARIDA anteviu a morte de seu marido que ocorreu em 13 de Novembro de 1093, mediante informação atrás apresentada. Previu também a própria morte que aconteceu 3 dias depois, pedindo a santa unção, e o sagrado viático.
Após o falecimento sereno e lúcido, seu corpo recuperou a cor e odor natural, como se estivesse vivo, vindo a ser sepultada na igreja da Santíssima Trindade, uma das muitas por ela mandadas construir. Para aí foi levado, mais tarde, o corpo do seu marido, sendo transladado do castelo de Watzburg.
Passados 48 anos de benéfica peregrinação sobre a terra acabou por ser canonizada com o nome de SANTA MARGARIDA, rainha da Escócia, deixando um rasto de bondade como princesa, mãe, rainha e mulher livre.

3º SANTA ISABEL DA HUNGRIA
Filha de André II, rei da Hungria, nasceu em 1207 e, aos 4 anos, foi destinada a casar com Herman I da Turíngia. Foi educada cristãmente no castelo de Wartburg, na Turíngia. Como Herman I morreu, seu casamento foi concretizado com um irmão daquele, Luís IV que sucedeu a seu pai no governo da Turíngia, em 1218. O casamento foi celebrado em 1221, quando ela fez 14 anos. Deste matrimónio nasceram 3 rebentos: HERMAN (como o tio), em 1222; SOFIA em 1224; GERTRUDES em 1227. Depois de entrar para uma congregação religiosa, veio a ser PRIORA na Abadia de ALTENBERG

Em 1227, seu marido, Luís IV da Turíngia, resolve participar na 6ª Cruzada, indo juntar-se à armada de Frederico II. Porém, devido a uma epidemia, morreu no sul da Itália em 11 de Setembro desse mesmo ano de 1227.
Aos 20 anos Santa Isabel fica viúva, com 3 crianças nos braços. Várias vezes lhe propuseram um segundo casamento. Porque ela rejeitou essa hipótese, muito teve de sofrer por parte dos familiares do seu marido que a expulsaram do castelo, para viver abandonada em plena rua.
Um seu tio, arcebispo de Wartburg acolheu-a, posteriormente, no seu castelo onde ela recebeu os restos mortais do seu marido que depois viriam a ser transladados para outro sítio.
Com a chegada dos militares que acompanharam o marido, Luís IV da Turíngia, ISABEL é integrada novamente na corte real da Turíngia e, de posse de todos os seus direitos, vai viver para MARBOURG onde passa os dias a beneficiar todos os desprotegidos. Ela é tia-bisavó da Rainha Santa Isabel de Portugal. O pai dela, André II da Hungria era avô da Rainha Santa Isabel de Portugal.
Tanto uma como a outra realizaram o MILAGRE DAS ROSAS, manifestando o seu grande apreço pelos pobres.
Morreu a 17 de Novembro de 1231 e foi canonizada pelo papa Gregório IX em 27 de Maio de 1235.

4º SANTA MATILDE DA INGLATERRA (séc. XII)
Santa Matilde da Inglaterra nasceu no último quartel do séc. XI, na Escócia, sendo fruto amoroso do casal Malcom III (rei daquele país) e de Santa Margarida de cujas raízes saíram mais 7 rebentos. Ao todo eram 8 irmãos: 6 príncipes e 2 princesas.
Três destes seis príncipes foram reis da Escócia, desde 1097 até 1153; EDGAR, ELEXANDRE e DAVID. Este último morreu em 1153 com fama de santo. Os restantes príncipes foram: EDUARDO e ETELREDO.
Quanto às princesas, seus nomes foram MARIA e EDITE. Esta princesa casou na Inglaterra onde foi rainha, passando a ser conhecida, mais tarde, por SANTA MATILDE, em atenção a uma sua antepassada com esse nome.
Os pais de EDITE – Malcom III e Santa Margarida, reis da Escócia, tinham-se recebido matrimonialmente em DUNFERLINE (Escócia) no ano de 1070.
Malcom III falecera na guerra em 13 de Novembro de 1093 e sua esposa, Santa Margarida, 3 dias depois.
EDITE (Santa Matilde de Inglaterra) casou com Henrique I rei da Inglaterra sendo oriunda de famílias ilustres. Era neta paterna do príncipe Eduardo da Inglaterra e de Ágata, princesa da Hungria; bisneta de Edmundo Costela-de-Ferro, da Inglaterra que foi afastado do trono anglo-saxão por Knud, o Grande, rei dos dinamarqueses. Além de EDITE ser filha predilecta de uma Santa (Margarida), também tinha um tio-bisavô canonizado (SANTO EDUARDO) que governou a Inglaterra entre 1042 e 1066.
EDITE (Santa Matilde de Inglaterra) foi um lindo exemplo de princesa, de esposa e de mulher livre, de modo idêntico a essa antepassada do séc. X, cuja biografia apresentamos a seguir.

5º SANTA MATILDE DA ALEMANHA (séc. X)
Esta Santa Matilde nasceu em 895. Também tinha casado com outro HENRIQUE I, denominado o passareiro, que fora rei da Alemanha entre 919 e 936.
Era filha do conde de THIERRY, da Saxónia, tendo sido educada por uma das suas avós que na parte final da sua vida entrou para o mosteiro de NORTHAUSEN, na Turíngia, onde chegou a ser abadessa.
Durante 20 anos em que viveu com Henrique I, deu à luz 5 filhos: 3 príncipes e 2 princesas, todos eles muito ilustres, bem dignos dos seus antepassados. Uma das filhas, GELBERGE casou primeiramente com GESILBERTO da Turíngia; depois de viúva, casou com Luís IV da dinastia carolíngia. A outra filha, HEDVIGES, foi mãe de HUGO CAPETO, primeiro rei de França.
Quanto aos rapazes, o mais velho era OTÃO, imperador da Alemanha entre 936 e 973; e mais tarde, também rei da Itália. Logo a seguir foi HENRIQUE (como o pai), duque da Baviera que faleceu em 995. O último, BRUNO, foi arcebispo de Colónia, entre 953 e 965. Esta Santa Matilde faleceu em 14 de Março de 968, tendo sido viúva durante 32 anos. Foi um exemplo extraordinário de mulher, de princesa, de esposa, de mãe e de religiosa, qualidades estas, que foram plenamente transmitidas à outra Santa Matilde do séc. XII, na Inglaterra, cujo nome de baptismo era EDITE.

BIBLIOGRAFIA

Barreto, Manuel Gaivão – Nobiliário das Famílias do Reino.
BOUIETT, M.N. – Atlas Universal d’ Histoire et Geographie.
DELUMEAU, Jean – Histoire des Saints et de la Saintité Christienne, Paris, 1987.
GAIO, José de C. Felgueiras – Nobiliário das Famílias Portuguesas.
LEITE, José – Santos de cada dia 4º Ed. A. O. Braga, 2003, 3 vols.
MACHADO, Dr. José de Sousa – Brasões Inéditos.
MAIA, João – Flor de Santos, um Flos Santorum para o séc. XXI. Ed. A.O.Braga, 2003.
PIMENTEL, Jaime P. de S. F. de Serpa – Livro de linhagens.
SOTTO-MAIOR, Francisco F. C. de – Delineação Genealógica.
SOUSA, D. António Caetano de – Memórias Históricas e Geográficas dos Grandes de Portugal. Ed. Lisboa, 1933.
SOUSA, D. António Caetano de – História Genealógica da Casa Real Portuguesa. Vila Viçosa, 11 de Novembro de 2007
.

Agradecemos ao querido Fr.++ João Duarte Patrício, da Comendadoria de Santa Maria do Castelo – Portugal por ter nos concedido a autorização de tal publicação.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Eu sou Deus

Jesus disse “Eu e o Pai somos um” e mais “o Pai está em mim e eu estou no Pai” palavras que pareciam longe de nosso entendimento como seres humanos mortais, enquanto seres carnais.
Hoje, em minha meditação matinal, descobri algo fantástico: Eu sou Deus. Não pense que isso é prepotência, arrogância, engrandecimento do ego, delírio ou coisa do gênero que não é. Posso garantir e vou explicar como fiz tal descoberta. Aliais, garanto também a cada um que esteja lendo este texto que você também é Deus.
Deus, o Criador do Universo, o Senhor dos Senhores é um só. Uno!
Esse Deus Uno continua a trabalhar sempre, pois, o Universo não para de se expandir, de crescer e de se materializar em miríades de vidas e de formas.
Ao criar o homem, à Sua imagem e semelhança, Deus tornou o homem a também ser deus, de forma menor, mas importante em toda obra de criação de Deus. Jesus, o Filho amado descobriu isso e anunciou ao mundo na esperança de que o mundo também descobrisse tal grandeza.
Por que eu esse simples mortal enquanto matéria descobri que eu sou Deus?  
Consegui ver em mim mesmo que tudo aquilo que faço, tudo aquilo que produzo, todas as minhas ações correspondem a um plano divino e que através da lei do livre arbítrio eu decido o que e como agir dentro da construção do mundo de Deus. Seguir o caminho da luz e/ou das trevas.
Quando o homem encaminha seus pensamentos e sua força para o bem, para o seu crescimento espiritual e o coletivo, está ele servindo ao Criador e na medida em que renasce como novo homem, se assemelha a Deus, se torna filho de Deus, ao invés de criatura de Deus.
Claro ficou saindo de mim forças desconhecidas que buscam se expandir no Universo e, assim, encontrar os espaços que devem ser preenchidos para que eu realize o que o Criador espera de mim.
Não se trata de algo planejado ou preparado por mim mesmo, se fosse assim, seria ação do ego, sempre buscando ser o sol enquanto não passa de uma opaca pedra bruta com baixo valor espiritual.
Quando acreditasse verdadeiramente em Deus, entregasse a Deus e Deus age indiferente de nossa vontade pessoal, se expande através de nós. Passamos a ser instrumentos nas mãos do Criador, socorrendo um animal ferido, estendendo a mão para levantar alguém caído, levando preces ao alto para o doente, para o que não tem pão, nem teto, nem água, para o que está enfermo ou sofrendo, para os espíritos que partiram e necessitam da luz de uma prece para se desligar da terra e se ligar ao céu. É Deus agindo em nós e através de nós!
Quando se descobre que somos Deus, já não se toma para si o mérito de qualquer ação, feito ou realização, pois tem-se a consciência de que é Deus agindo através de nós. Nunca as palavras que servem de guia e princípios filosófico para os Cavaleiros e Damas Templários foram tão significativas e encontram tanto eco dentro de nós como nesta hora: “Non Nobis Domine, Non Nobis Sede Nomini Tuo da Glóriam – Não a nós Senhor, não a nós, mais a Tua Glória.
Ser Deus é deixar de ser nós mesmos, é entendermos que não somos nada, nada podemos, nada realizamos, não merecemos mérito de nada, já que não somos donos da vida. É sentir-se uno ao Pai, sentir-se completo, pleno e ao mesmo tempo pequenos.
Só quando se torna uno a Deus consegue o homem entender o porquê das palavras de Jesus “Eu e o Pai somos um” e “o Pai está em mim e eu estou no Pai”.
Entendemos que o reino de Deus está dentro de nós.
Deus em Sua infinita bondade enviou Jesus para ensinar ao homem o caminho, a verdade e a vida para que ele entendesse que não era apenas um homem mortal, mas que era espírito imortal e que através do espírito poderia dialogar com Deus e que para isso era necessário renascer ainda nesta vida.
O entendimento do Deus em nós e da união do Deus em nós, com o Deus Criador de todas as coisas leva o homem a amplificar a sua vida, a descobrir que quando Deus age através dele todas as coisas são realizadas para a Graça e Glória de Deus.
Eu, tu, ele, nós, vós, eles, todos somos Deus e, se assim somos, devemos unificarmos a Deus, reconhecermos Deus em tudo e em todos, respeitar e amar Deus em tudo e em todos para que esse mundo se torne o Paraíso criado por Deus.
Fraternalmente um abraço a todos os deuses e deusas criados por Deus.
Fr. + Albino Neves




sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Jesus, o médico da alma

Jesus, o médico da alma, nos ensinou desde cedo que só se pode curar a quem deseja ser curado. Ele, como filho de Deus, conhecedor da Lei do livre arbítrio, entendia que sem a vontade não existe a realização da cura.

Ora, quando uma pessoa está doente, deve procurar um médico e não um curandeiro, um “aprendiz” de  feiticeiro, ou outro doente igual a ela. Assim sendo, a cura de qualquer mal passa impreterivelmente pelo caminho da vontade, da escolha. Não de uma vontade qualquer, conveniente ao momento, mas de uma vontade que parta do coração.
Jesus nos ensinou que devemos amar a Deus em primeiro lugar e ao próximo como a nós mesmos. Ora, isso quer dizer que entre Deus e o próximo existe alguém muito importante e esse alguém, somos nós. Você já parou para pensar sobre isso? 
Portanto, o amor ao próximo, deve partir do nosso amor, do nosso compreender que somos o “templo do Senhor” e se assim o somos, temos que cuidar desse templo com amor, carinho, respeito e a devida atenção. 
Quem diz nos amar, deve compreender que se o amor for verdadeiro precisa ser tratado como se fosse uma criança recém nascida, com todo cuidado e respeito. 
Não se ama a alguém provocando nesse alguém sentimentos que o firam, que devastem seus jardins de sonhos e de amor. Isso porque, não se pode abrigar no templo pessoas que sejam impuras, que estejam maculadas pelas energias do mal, sejam elas nas ações, atos, palavras e pensamentos.
Nenhum coração amargurado pelo ódio e pelo rancor consegue ver a Luz. Nenhuma mente doentia pelo mal consegue penetrar na Luz. Nenhum corpo tomado pelo mal pode adentrar no templo de Deus.
A preparação do homem passa pelo próprio homem. 
Mesmo que o homem não acredite em uma vida vindoura, deve saber que o corpo hoje jovem, amanhã será ancião. A pele não terá mais a mesma elasticidade, o raciocínio não será mais tão veloz, a disposição não será mais vigorosa, as pernas não correram como hoje, os olhos estarão cansados. Nesta hora, o homem descobrirá que não poderia ter fechado tantas portas, pois sentirá a sua fragilidade e a sua necessidade de quem o ampare, de quem seja as suas pernas, os seus olhos, as suas mãos, o seus sentidos, quem lhe cubra de amor e carinho, pois esses são os ingredientes que carecem tanto a criança recém nascida, como o ancião em seus dias finais.
Diante de tudo isso vemos que o ódio entorpece a mente, o ressentimento mata os sentimentos mais puros e apenas o amor pode nos garantir um futuro promissor, onde todos tenham a vontade de embalar os nossos sonhos de ancião.
Fr. A.N.